Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  14882-010 Jaboticabal SP
NOVO CORONAVIRUS: A VIDA IMITA A ARTE Jaboticabal, 13 de janeiro de 2021   Estamos vivendo desde março do ano passado, uma epidemia que fez com que o mundo inteiro, repetisse e tornasse realidade, o medo das pessoas descritas no livro A Chave do Tamanho, de Monteiro Lobato, cuja primeira edição foi em 1942. O motivo do Medo é diferente do que está na obra de Monteiro Lobato.  Monteiro Lobato neste romance infantil, descreve que para acabar com os horrores da Guerra, a Emília vai até a casa das chaves, para fechar a chave da Guerra, e errando vira a chave do tamanho, o que fez com que as pessoas diminuíssem de tamanho e ficassem com medo da natureza que as rodeava.  No romance as pessoas ficam com cerca de 2 cm cada uma de altura em média, e a natureza se torna hostil para elas, causando um transtorno inimaginável, Até que no final a Emília consegue voltar a casa das chaves, gira novamente a chave do tamanho e fazer com que as coisas fiquem normais. Enquanto estavam pequenos as pessoas tinham medo de gatos, cachorros e porcos, que podiam confundir os seres humanos com minhocas, e com esta confusão os seres humanos podiam ser devorados.  A realidade que vivemos hoje não foi provocada pela diminuição da estatura física de qualquer pessoa, mas o coronavirus fez com que a natureza, se tornasse hostil ao ser humano, e fez com que todas as pessoas, passassem a temer o meio ambiente ou qualquer coisa que possa trazer a contaminação.  O ser humano com o coronavirus viu quanto ele é pequeno diante da natureza e assim, veio medo. Vemos diariamente, governantes e mais governantes, apavorados, desesperados e gritando. No desespero vemos prefeitos de várias cidades decretando medidas que só poderiam ser decretadas pelo Governo Federal, mas que por causa do desespero, o Supremo Tribunal Federal também autorizou que eles decretassem medidas de restrição de comércio, de atividade industrial e etc., sendo que na mesma linha fizeram vários governadores, tudo pelo medo, por causa do Medo.  Jornalistas e mais jornalistas gritam desesperados pelo distanciamento social, como se não tivessem outra notícia a dar, Choram em frente à televisão, pregam desesperadamente a necessidade de se ficar em casa, de se isolar. Fazem isto mais por causa do medo do que por serem profissionais que devem dar a notícia.  De repente saíram não se sabe de onde, especialistas e mais especialistas, falando em contágio, falando em vírus, em medicina e outros assuntos ligados a doença.  Enquanto a vacina não chega e não provoca a imunização desejada, o que vemos é um festival de desespero de jornalistas e autoridades, que acabam prestando um desserviço, amedrontando toda a população.  No livro quando Emília vai nos países europeus encontra os líderes de então, dentro de tampinha de caneta. Atualmente se houvesse uma caneta, onde essa gente pudesse se esconder ou se eles coubessem dentro de uma tampinha de caneta normal, lá nós os encontraríamos.  Lamentável.  Profissionais e autoridades que deveriam dar o exemplo falam a esmo, jornalistas profissionais que deveriam trazer especialistas, para passar a informação correta, ao invés de fazer as perguntas certas, só ficam em um blá blá blá que não acaba nunca e não esclarece nada, e ficam apenas aumentando o pânico. Parece que o mundo inteiro ficou abobalhado como no livro A Chave do Tamanho.  Tem profissional jornalista achando que com a vacina o vírus vai desaparecer, achando que a vacina vai ser o elixir da humanidade, que se tomando a vacina não vai existir mais vírus. Onde esses bobalhões foram buscar uma informação estúpida dessa. O vírus vai continuar e vai evoluir, e vai piorar. E a tendência de todo organismo e de todo ser vivo evoluir. Se fala tanto em ciência, mas nunca leram Charles Darwin e a evolução das espécies. O vírus apesar de ser um organismo mais simples, também evolui, ficando mais forte muitas vezes, são as mutações já constatadas, com o coronavirus também.  Será que faltaram nessa aula de biologia antes de darem alguma notícia?  Será que tem jornalista que não tem vergonha na cara e antes de dar a notícia, não toma um calmante para parar de alarmar a população. A função de um noticiário não é apavorar ninguém.  Será que o mundo das redes sociais criou um bando de profissionais babacas? Médicos que chegaram a declarar que tinham medo de contaminação e não trabalharam no INSS.  Mas desde que eu me conheço por gente o risco de todo médico é, me desculpem aqueles que me conhecem, ser contaminado com algum tipo de vírus ou bactéria é o risco da profissão dele.  Se não é o coronavirus um médico pode ser contaminado com tuberculose, ou com sífilis ou qualquer outra doença mas é o risco da medicina, para o médico. Assim como o risco da profissão do jornalista é apanhar e ser até assassinado quando, dá uma notícia indesejável, o risco do advogado é ser alvo da parte contraria, o do médico é a contaminação.  Eu só espero que depois da vacinação as pessoas ponham a cabeça no lugar e voltem a viver como gente. Me desculpem senhores aos jornais cabe noticiar não espalhar Pânico Espalhar pânico é o que infelizmente vemos diariamente sendo feito por jornalistas até de grande de emissoras. Se estão com medo, fiquem em casa, desapareçam enquanto existe o perigo, ou deem a informação, sem medo e sem espalhar pânico.
fotos: facebook do autor  dominio público e EBC foto
Mentore Conti Mtb 0080415 SP
Para ler em Smartphones gire seu aparelho na horizontal
Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte